Não sou a pessoa mais indicada para explicar essa coisa cult/hype em torno dos zumbis. Meu contato mais direto com eles foi no filme Zumbilândia, que recomendo demais.  Talvez por ter gostado do filme, me chamou a atenção o livro “Orgulho e preconceito e zumbis”. Já gostei de cara da capa:

“Orgulho e Preconceito” (o original) e os outros livros de Jane Austen são exemplares daqueles clássicos incontestáveis da literatura mundial. Daqueles que ilustram os livros de português e que a gente acaba tendo que estudar na aula.  Além de ter retratado costumes, modo de pensar e outras características da sociedade inglesa de sua época, Jane Austen ainda é muito lida e lembrada pela sua forma fina de usar ironia, cinismo e desaprovação bem como pela sua forma de usar a língua inglesa.

Seus livros já estão em domínio público, o que facilita a criação de novas interpretações e adaptações. Como a Lívia já comentou nesse post aqui, o livro “Orgulho e Preconceito” deu origem a adaptações em quadrinhos, filmes, musicais de Bollywood (“Bride and Prejudice”, uma brincadeira com o “Pride and Prejudice” original) e outros livros, como este “Orgulho e Preconceito e Zumbis”.

Seth Grahame-Smith, que escreveu a “nova” história, aproveitou 85% do que Jane escreveu (os novos 15% são as inserções de zumbis). Em entrevista à revista Veja ele contou que “planejar como inserir os zumbis na história foi um trabalho penoso. Já escrever as cenas foi a coisa mais deliciosa que fiz”. Elisabeth Bennet, a protagonista, agora luta artes marciais e é um ás no extermínio de zumbis. E, além disso, o livro tem seus embates com Mr. Darcy, o pretendente. As histórias da sociedade inglesa se tornam recheadas de ossos, cérebros e sangue, bem à moda dos zumbis.

O livro foi um sucesso, 3º mais vendido na lista do jornal The New York Times. Várias críticas positivas apareceram, como essa da revista Wired: “Jane Austen não é para qualquer um. Nem zumbis. Mas misture os dois e a única questão é: por que ninguém pensou nisso antes? Usar mortos-vivos canibais nessa diferente reinterpretação é apenas o que a joia de Austen precisava.”

Ficou com vontade de conhecer? A editora Intrínseca, que publica o livro no Brasil, disponibiliza o primeiro capítulo do livro para download em seu site. A editora também criou um hotsite, onde você pode ler matérias que foram publicadas sobre o livro, zumbificar suas fotos com a ajuda de um software especial e conhecer mais sobre o autor, Seth Grahame-Smith. Já no site da Livraria da Folha, você encontra os dois primeiros capítulos do livro para ler. Ele deve chegar ao cinema em breve, com Natalie Portman (a rainha Amidala, de Guerra nas Estrelas) como a protagonista.

A Quirk Books,  editora que lançou internacionalmente “Orgulho e Preconceito e Zumbis”, também lançou “Razão e Sensibilidade e Monstros Marinhos”, outro exemplo da onda dos mashup classics (misturar livros clássicos a idéias e referências contemporâneas). Já “Mr. Darcy, vampiro”, é fruto da imaginação da escritora Amanda Grange, que conta como Elisabeth descobriu que Darcy, na verdade, é um vampiro. Veja os trailers desses livros abaixo.